Declínio populacional: Virgem depois dos 30 anos

Compartilhe essa matéria:

O mundo mudou e as prioridades também. Atualmente, o número de pessoas solteiras e virgens depois dos 30 anos tem crescido em várias regiões do mundo. O hábito antigo de casar cedo tem dado lugar a ocupações como trabalho, estudo e mesmo hobbies entre os jovens adultos. Assim, os reflexos nos índices populacionais são sociedades mais velhas e declínio populacional.

Acontece que os jovens estão cada vez mais perdendo o interesse em casar e ter filhos. Ou então, deixando isso para o futuro. Apesar de ter a  possibilidade de conhecer inúmeras pessoas (principalmente após a chegada da internet), muitos jovens não têm se interessado em dedicar tempo a isso. Outros têm dificuldade em encontrar alguém que considerem adequado.

O Japão é o país onde essa situação é mais frequente. Lá, por exemplo, vendem-se mais fraldas geriátricas do que infantis! Mais de 25 % dos japoneses têm acima de 65 anos, o que representa a maior taxa do mundo. Por outro lado, apenas 13% são menores de 13 anos.

Isso gera problemas sociais e econômicos, por mais que os idosos tenham um importante papel na sociedade. A estimativa é de que, nos próximos 50 anos, a população do Japão poderá cair em 33%. Por isso, o governo já investiu mais de R$ 76 milhões em propagandas que incentivam o crescimento populacional. Ele até mesmo financia encontros para que os solteiros possam se conhecer.

Alguns atribuem essa situação à maior independência financeira das mulheres modernas, pois agora elas investem mais tempo nos estudos e trabalho. Outros acreditam que a rotina frenética do século 21 tem deixado as pessoas tão ocupadas que elas não têm mais tempo para conhecer outras pessoas.

 

Os jovens atualmente consideram mais fatores antes de decidirem se casar.

 

Declínio populacional em documentário

O mangá-documentário “Virgem depois dos 30” foi inspirado nesse fenômeno social. Produzido pela editora Pipoca & Nanquim, ele conta histórias de 8 pessoas que deixaram o casamento para depois. Isso ilustra a realidade de mais de 2 milhões de japoneses que estão quebrando os padrões seguidos desde muito tempo sobre a idade considerada “certa” para casar.

Veja também: Celebrar Maricá e o Natal Fest & Gourmet


Compartilhe essa matéria:
Ionnara Lima

Ionnara Lima

Jornalista pela Universidade Federal do Tocantins e produtora de conteúdos para sites/redes sociais.