Torre de controle remota será instalada em Maricá

Compartilhe essa matéria:

O Diretor-Geral do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), Tenente Brigadeiro Domingues, convidou a Companhia de Desenvolvimento de Maricá (Codemar), no último dia 19, para conhecer a torre de controle remota, na Base de Santa Cruz-RJ. Eles falaram sobre a futura instalação de uma estrutura semelhante em Maricá. Durante a reunião, estiveram presentes dois representantes da Codemar, consultor aeronáutico Valdir Lemos Padilha e presidente José Orlando Dias.

 

Poucos aeroportos no mundo funcionam totalmente com essa tecnologia, pois ela é muito recente. O primeiro a utilizá-la foi o aeroporto de Bodo, na Suécia. Por sua vez, a Base de Santa Cruz-RJ foi o primeiro local na América Latina.

 

 

Vantagens da torre de controle remota

 

Valdir Lemos Padilha comentou sobre o acontecimento:

“Isso trará, não só tecnologia para nossa cidade, como também uma grande visibilidade em todo o Brasil. Essa torre será instalada em parceria com a Secretaria de Aviação Civil. A princípio, não haverá custos para os cofres públicos de Maricá, pois será custeado pelo governo federal”.

 

Ele também explicou que os novos sensores são mais eficazes que o olho humano. Desse modo, eles permitem aos controladores uma melhor visualização em condições de clima ruim. Isso, então, proporciona maior segurança às aeronaves.

 

Pela primeira vez, um aeroporto não militar brasileiro terá um equipamento tecnológico tão preciso.

 

Diferentemente das torres de controle tradicionais, que são fabricadas em concreto, com vidros na parte superior, esta é feita de metal. Da mesma forma, no topo, estarão as câmeras de altíssima resolução para enviar as imagens aos controladores.

 

Assim, a implantação da torre em Maricá abrirá oportunidades de negócios em toda a Região dos Lagos. Essa é a expectativa de José Orlando Dias, presidente da Codemar.  

“É mais um passo que a Codemar tem dado no sentido de colocar o aeroporto dentro do cenário nacional. A torre nos proporciona a vinda de uma série de atividades para dentro do aeroporto, que serão importantes para o desenvolvimento da economia do município de Maricá”, explicou.

 

O Aeroporto de Maricá dispõe de estrutura apta a receber as mudanças, como estação meteorológica e rádio no ciclo de aeroportos. Ele também passou pela homologação de EPTA e pela inspeção para implantação do RNAV; além disso, tem classificação SBMI.

 

Informações: Roberval Silva.

 

Veja também: ReExistência Negra: Encontro aconteceu na OAB.


Compartilhe essa matéria:
Ionnara Lima

Ionnara Lima

Jornalista pela Universidade Federal do Tocantins e produtora de conteúdos para sites/redes sociais.