Pré Conferência de Inoã: 14 delegados eleitos

Compartilhe essa matéria:

Antes da III Conferência Municipal de Cultura, que será realizada nos dias 30 e 31 de outubro, os bairros de Itaipuaçu, Inoã, Cordeirinho e Barra de Maricá, estão recebendo pré-conferências preparatórias com diferentes eixos temáticos e eleições de delegados.  A programação começou em Itaipuaçu, no último dia 26/09, e agora chegou à Lona Cultural Professor Luiz Carlos Viegas. Desse modo, a Pré Conferência de Inoã aconteceu na quarta-feira (02/10), onde contou com a participação de 87 pessoas credenciadas. 

De acordo com a secretária de Cultura, Andrea Cunha:

“As Pré-conferências possibilitam, não apenas, as discussões regionais, como também a descentralização. Precisamos ouvir a sociedade e os fazedores de cultura em toda extensão territorial da cidade. Desse modo, pensamos neste modelo, dos quatro distritos, justamente para contemplar todos.” 

14 Delegados foram eleitos na Pré Conferência de Inoã

Durante a Pré Conferência de Inoã foram eleitos 14 delegados. Os delegados eleitos foram para as vagas das câmaras setoriais e mais um da sociedade civil. Além disso, foram discutidas propostas em torno dos quatro eixos, a saber:

  • Valorização e Regularização de Artistas,
  • Descentralização das Atividades Culturais,
  • Diretrizes de Elaboração do Plano Municipal de Cultura e
  • Preservação e Salvaguarda do Patrimônio Cultural. 

“Participei da construção do Sistema Municipal de Cultura, em 2013. Desse modo, já venho acompanhando a movimentação do município para consolidar as propostas e diretrizes do plano há bastante tempo. Neste momento, estou retomando a presidência da Academia de Ciências e Letras de Maricá. Por este motivo, me inscrevi no bloco temático de preservação, levando em conta a minha preocupação com a Academia, que faz parte deste patrimônio cultural”, disse a advogada Maria Regina Moura, que é moradora de Inoã e escritora com diversos trabalhos publicados. 

Diretor de produção, profissional de artes cênicas e ex-presidente da Fundação Nacional de Artes (Funarte), Humberto Braga, que também é morador do bairro, falou sobre a importância dos fóruns e sobre como pretende colaborar.

“Como venho de um órgão federal e conheço bem a realidade da cultura no país inteiro, tenho vontade de estar mais próximo das políticas que estão sendo desenvolvidas no lugar onde eu vivo. Nos últimos anos, tenho observado que muita coisa tem acontecido aqui, mudou bastante a realidade em termos de estrutura. Estas lonas mesmo, e estas pré-conferências, são sinais de que a coisa está evoluindo, mas ainda acho que precisamos pensar mais nas programações e atividades em diferentes polos, porque Maricá tem uma geografia muito especial, então as coisas que acontecem no centro, acabam ficando muito distantes dos seus distritos”, explicou Humberto.

Então, veja os delegados eleitos 

Artes cênicas e circenses – Rogério de Azevedo Brum (delegado)

Dança – Manoeli Castro e Silva (delegada)

Música – Sharlon Ricardo Ferreira da Souza (delegado) / Jean Nunes de Moraes (suplente)

Literatura e biblioteca – Antônia Luiza Araújo Silva (delegada) / Rosevaldo de Lima Araújo (suplente)

Patrimônio histórico e arquitetônico – Maria Regina Moura da Silva (delegada) / Jennifer Bassiga Badiak (suplente)

Artesanato – Marília Mendonça Lins (delegada) / Nelma da Silva Costa (suplente)

Cultura popular – Rodrigo Bastos Palomo (delegado)

Movimento social – Thiago Mesquita Correa (delegado) / Taísse Costa Soares (suplente)

Cultura afro-brasileira – Carlos Vinícius Maçante Monteiro (delegado)

Audiovisual – Taísa de Carvalho Costa (delegada) / Luiz Henrique Dantas (suplente)

Artes plásticas – Jarbas Lopes Júnior (delegado) / Ana Carolina da Silva Cavalcante (suplente)

Cultura urbana – Wildon da Costa Marinho (delegado)

Sociedade civil – Maria Cleivania Araújo Silva (delegada) / Antônio Braz Carvalho de Oliveira (suplente)

 

Participação e objetivos dos encontros

De acordo com a presidente do Fórum Permanente de Cultura de Maricá, Rafaela Lima, o objetivo destes encontros é apontar não só as necessidades, mas o que pode ser feito.

“Estas pré-conferências se unem a outros movimentos, que acontecem desde 2008. Foram movimentos vindo de outros artistas que sempre buscaram não somente o seu lugar de fala, como também a sua dignidade e o reconhecimento do seu trabalho, na luta pela cultura.  Por certo, a cultura é um vetor de transformação social. Os fóruns culturais e o Fórum Cultural Permanente são espaços para debates, discussões e apontamentos das necessidades de políticas públicas.”

Para Erika Peçanha Figueira, representante da sociedade civil na comissão organizadoras das Pré-conferências, a participação das pessoas é, sem dúvida, essencial.

“As pessoas podem colaborar não só vindo nas pré-conferências, mas também, daqui para frente, ficando atentas ao que acontece em seus bairros no dia a dia. E, assim, apoiando as programações, os artistas locais e fazendo sugestões”, finalizou Erika.

Próximas pré-conferências

Em suma, é importante a participação dos artistas e da sociedade. Pois ainda temos duas pré-conferências antes da Conferência Municipal e elas acontecerão na

  • E.M. Lúcio Tomé Ferreira, em Cordeirinho (09/10) e,
  • Lona Cultural da Barra, na Barra de Maricá (16/09).

Semelhantemente a Pré Conferencia de Inoã e a de Itaipuaçu, o horário é das 17h às 21h, bem como o credenciamento, que  deve ser realizado das 17h às 18h. 

 

Enfim, veja também:

 

Delegados de Itaipuaçu: Conferência Municipal de Cultura


Compartilhe essa matéria:
Simone Boechat

Simone Boechat

Curso Livre de Telejornalismo pela FASUL - Faculdade Sul Mineira e pós graduanda em Jornalismo Esportivo pela UNINTER - Centro Universitário Internacional.